Mamoplastia: conheça os tipos de plásticas que modelam as mamas

Mamoplastia: conheça os tipos de plásticas que modelam as mamas

A mamoplastia é toda cirurgia plástica que transforma e modifica o formato das mamas, tendo por objetivo torná-lo mais harmonioso e proporcional ao restante do corpo. Elas podem aumentar, diminuir ou mesmo alterar a aparência dos seios.

Tipos de mamoplastia

Apesar de receber o mesmo nome, a finalidade da mamoplastia faz com que os recursos e processos utilizados sejam diferentes. Entenda como é feita cada uma delas:

Mamoplastia de aumento

Geralmente são as mulheres que tem seios muito pequenos que recorrem à cirurgia para colocação de implante de silicone nos seios. Embora muitas também busquem aumentar as mamas para enrijecer e porque seios maiores estão associados à sensualidade. É usada uma prótese que garante firmeza, formato e aparência natural da mama. A técnica usada é o implante de silicone e a incisão pode ser no sulco mamário, aréola ou axila. Pode ser colocado sob ou sobre o músculo, ou seja, o implante pode ser inserido abaixo da glândula ou do músculo. A indicação de colocação da prótese na frente ou atrás do músculo peitoral varia de acordo com o tipo de mama da paciente. Se a mulher possui pouca glândula, comumente se põe atrás do músculo para que os implantes não fiquem muito aparentes. Quando a paciente tem uma quantidade de glândula para cobrir satisfatoriamente o implante, coloca-se na frente do músculo.

Mamoplastia redutora

Para mamas muito volumosas, desproporcionais, que devido ao peso causam desconforto e dor na coluna. Seios muito grandes também costumam promover sua queda, muitas vezes precocemente e, consequentemente ainda está associada à flacidez causada pelo excesso de gordura mamária. Além disso, o peso e o volume podem provocar dor nas costas, além de marcas acentuadas nos ombros por causa do sutiã. A técnica remove o excesso de gordura, o tecido glandular e a pele para atingir um tamanho de mama proporcional com o corpo da paciente. As cicatrizes são o T invertido (no sulco mamário), a periareolar e ainda o L., mas tudo depende da mama da mulher, o cirurgião precisa levar em conta a quantidade de pele flácida retirada e o tipo de incisão.

Mamoplastia reparadora

A mamoplastia reparadora também pode ser classificada como mastoplastia. Neste tipo são tratadas as assimetrias mamárias acentuadas, a diminuição da aréola, entre outros casos. A cirurgia corrige a diferença em tamanhos, formatos ou posição das mamas e/ou aréolas, mas o processo do procedimento irá depender da necessidade e do caso de cada paciente. Ou seja, pode-se colocar implante na mama menor, reduzir a mama maior, reposicioná-los, etc. Logo, tudo estará relacionado ao tipo de assimetria que exista e cada qual terá a aplicação de uma determinada técnica.

Mamoplastia reconstrutiva

Essa técnica é indicada para quem tem câncer de mama e é preciso retirar parte da mama ou ela completamente (a chamada mastectomia). O cirurgião refaz a mama e em muitos casos é necessário remover tecido de outras regiões do corpo (como costas, abdômen) para se reconstruí-la. A reconstrução mamária costuma ter duas variantes: a cirurgia feita posteriormente a retirada da (s) mama (s) ou pode ser realizada ao mesmo tempo que a mastectomia. Deste modo, as pacientes nem precisam passar pelo trauma da amastia cirúrgica. A colocação simples de um implante tem uma recuperação muito mais curta e segue normalmente as mesmas condições das demais técnicas que usam esse recurso. Porém, cada paciente tem uma indicação diferente de tratamento.

Mastopexia

Também conhecida como lifting de mamas, é a técnica que levanta o tecido de mamas caídas (com ptose), e geralmente está associada também à flacidez. Muitas pacientes que se submetem a esta técnica também colocam prótese de silicone. O uso de implante de silicone vai depender da textura, excesso de pele ou densidade do tecido mamário e não apenas a queda do órgão. A cicatriz da cirurgia do levantamento da mama, com ou sem implante de silicone, pode ser apenas vertical, isto é, da aréola até o sulco da mama, ou associada com outra cicatriz no sulco da mama, também chamada de T invertido.

As mamoplastias são indicadas para mulheres que apresentem problemas nas mamas, como seios caídos, muito grandes ou muito pequenos. Já as mamoplastias reconstrutivas só são feitas em caso da remoção da mama devido a algum tumor, e ambas devem ser realizadas apenas por cirurgiões plásticos.

 

Fonte: Minha Vida